Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Casos clínicos’ Category

M.N.M.F possui três doenças complicadas, hipertensao, hidrocefalia e mileomingocele. Administra enalapril, carbamazepina, fenobarbital e oxibutinina. Tem 11 anos de idade, naseceu de parto normal com uma gestaçao sem problemas e precisa de cuidados constantes, utilza os serviços  de fisioterapia, nutriçao e terapia ocupacional, possui dificuldades motora nos membros superiores. Frequenta escola em classe regular.

 

A) Os medicamentos utilizados possuem interaçoes medicamentosas?

B) Qual o procedimento correto para administraçao do enalapril em crianças?

C) Qual o efeito terapêutico da oxibutinina?

Namir Hodali, Roberta Mena

Read Full Post »

Seu Antônio, um homem de 60 anos de idade chega à farmácia se queixando de dor torácica, que ocorre principalmente no início da manhã e não parece estar associada a estresse ou exercício. Em consulta médica, o clínico realizou angiografia coronariana e teste positivo com ergovina, o e estabeleceu o diagnóstico de angina de peito em conseqüência de espasmo da artéria coronariana.

 

No exame físico, detectou-se ainda PA 130/90 mmHg, FC 84 bpm, FR 20 mrm. O paciente mostrava-se angustiado, pálido e suando abundantemente. À ausculta do pericórdio o ritmo era irregular e auscultava-se a terceira bulha em área de ventrículo E.

 

Exames subsidiários foram realizados, detectando CPK 320 mg% (n: até 80), LDH: 180 mg% (n: até 140); TGO: 52 U (n: até 40).

 

Sua prescrição consiste em nitroglicerina sublingual para os ataques agudos e verapamil para o tratamento crônico.

 

Poucos dias depois, seu Antônio volta para nova avaliação e percebe-se que está com a pressão arterial elevada (160: 100 mmHg). O paciente é encaminhado novamente ao clínico, que prescreve nifedipino, 80 mg/dia, em doses fracionadas de 20 mg (cápsulas). Ocorrem rubor, tonteira e nervosismo logo depois da utilização do medicamento (< 30min) e esses sintomas persistem durante cerca de 1 hora. Suas queixas de angina aumentaram durante este período. A esposa do seu Antônio, Dona Gilda, comentou que precisa acompanhar de perto o tratamento do marido, para que ele tome a medicação de maneira correta.  

 

O clínico optou por substituir o nifedipino por captopril, porém, apresentou novos PRMs como erupção cutânea e tosse. Por fim, seu Antônio optou por trocar de clínico, que substituiu o captopril por hidroclorotiazida e manteve o verapamil já utilizado anteriormente.

Read Full Post »

A.M.R seis anos de idade, 22 kg, 1,14m com hipotireoidismo congênito descoberto com um mês de vida, nasceu com 3,210 kg e 48 cm de comprimento, a mãe relatou que teve uma gestação tranquila, porém engordou  bastante, mas não soube informar o quanto. A mãe da menina também relata que ela sente frequente dores nas pernas, dores de cabeça e está com dificuldade na escola(nao consegue ler), a criança é hiperativa e por isso não tem um bom relacionamento com os colegas na escola. Muito teimosa em casa, os pais precisam gritar para ela obedecer, briga muito com o irmão mais velho pois ela mexe em tudo  que é dele. A menina come muito principalmente doces, refrigerantes e salgadinhos necessitando de acompanhamento nutricional.

Medicamnetos usados pela paciente: puran T4(levotiroxina) 134 mg 1x/dia, Valpaquene 500 mg 1x/dia(a noite)

Quais sao os principais sintomas do hipotireoidismo?

Existe interaçao entre os medicamentos que a paciente utiliza?

Qual a relaçao do hipotireoidismo com a diabetes ?

 

Acadêmicos: Luana Eggres, Namir Hodali, Roberta Mena.

Read Full Post »

Paciente: M. R. L.

Idade: 1 ano e quatro meses

Diagnóstico Clínico:  Malformações no ouvido, visão e garganta(laringomalácea)

Data de internação: 12/08/2009      Data de alta: 14/09/2009

Motivos da internação: Fenda labial mediana.

Cirurgias realizadas: Rinoplastia recuperadora não estética.

Principais fármacos utilizados:

- Amoxilina susp. 60 ml 50mg/ml, Salbutamol sol. com nebulimetro spray oral jatos 100 mcg/jat, Ranitidina(2 ml) 25 mg/ml, Prednisolona sol. oral 3 mg/ml, Ampicilina.

Início do tratamento:  Foi iniciado com ampicilina em 20/7  por ivas bacterianas e hemograma com leucocitose e terminado em 30/7.

Exames realizados durante a internação da paciente:

- Cintilografia(pesquisa de refluxo) Resultado: Inúmeros episódios de refluxo.   Avaliação: Gastroped não indicou a realização de cirurgia para correção de refluxo neste momento.

- Laringoscopia      Resultado: Laringomalácea

 

Realização do procedimento cirúrgico: A paciente apresentou quedas de saturação quando inernada na UTIP, que foram cessadas após aspirações  da via aérea, melhorou com salbutamol spray e corticóide sistêmico( usou por cinco dias).

Recuperação da paciente: Início da dieta para fenda labial, uso de ampicilina+ subactam D3. Paciente permaneceu com as quedas de saturação que foram melhoradas com salbutamol spray e corticóide.

Alta da paciente: Foi avaliada pela cirúrgia plástica  e por decisão médica ela recebeu alta.

Orientação médica: Manter o uso da Ranitidina.

 

 

- Quais são os fatores que causam essas malformações?

- Porque  a paciente iniciou tratamento com Ampicilina antes de ser realizado o procedimento cirúrgico?

-Porque  a orientação médica foi de manter o uso da ranitidina após a cirurgia? Por quanto tempo a paciente precisará tomar a ranitidina?

- Poderia ter tido alguma interação com os medicamntos qua a paciente usou?

Elaborado por: Luana krauspenhar Eggres( Acadêmica de Farmácia)

Read Full Post »

jpeg

G. S., 52 anos, masculino, branco, casado, funcionário público, procedente de Dona Francisca, RS.
Em 1998, o paciente compareceu ao atendimento médico queixando-se de cansaço fácil, aumento da ingesta de líquido e do volume urinário. Seus exames subsidiários constataram Glicemia: 434 mg%, potássio 5,5 mEq/L; sódio: 135 mEq/L; uréia: 33 mg% e EQU: proteinúria, glicosúria, cetonúria, cilindros granulosos (2/campo), bacteriuria regular. Apresentava, também, ao exame físico, ulcerações no pé, decorrentes de um pequeno ferimento que custava a cicatrizar.
Diante do quadro, o clínico prescreveu dieta, exercícios físicos e Metformina 500mg, 3 vezes ao dia.
G. S. omitiu ao médico a informação de que estaria fazendo tratamento prescriito pelo gastroenterologista com cimetidina.
Com o início do tratamento, começou a apresentar fortes sintomas de gastrintestinais, como náusea, vômito, anorexia, gosto metálico, desconforto abdominal e diarréia. No retorno da consulta, estes problemas foram amenizados.
Com o passar do tempo, o controle da glicemia tornou-se mais difícil e agora G. S. está tomando insulina pela primeira vez. O médico prescreveu 20 unidades de NPH e 5 unidades de insulina regular ao desjejum e 10 unidades de NPH e 5 unidades de insulina regular no jantar. Depois de alguns dias, o paciente começa a aobservar esse padrão aproximado nas determinações dos níveis de glicemia:
* 8 horas de jejum, cerca de 110; meio dia (antes do almoço), cerca de 120. 17horas (antes do jantar), cerca de 55; ao deitar, cerca de 115.
Quando o nível de glicemia cai para 55, o paciente começa a suar e torna-se trêmulo, porém, isso desaparece quando ingere algum alimento.

Read Full Post »

Paciente J.P.H. nasceu no dia 16/01/1998, natural de Santa Maria, procurou atendimento médico pelo histórico familiar de Diabetes Mellitus (DM) sendo que sua mãe e avó apresentam. Foi constatado que o paciente também tem DM tipo I e problemas renais. Nos ultimos anos apresentou giardiase e infecção oftálmica que foi tratado com Ciprofloxacin colírio e comprimido. Nessas ultimas patologias obteve-se sucesso no tratamento e cura desses problemas de saúde. O paciente mede 1,36cm, pesa 31,3kg, PA 90/60 mmhg e sua glicemia mantém-se constante 88 mg/dl devido ao uso de insulina e pela alimentação balanceada. Para o problema renal foi prescrito Rivotril, mas antes fazia o uso de Diazepan, faz uso de Clomipramina.

1- Se o paciente deixar de usar o Rivotril, vai haver alguma alteração na absorção de Insulina? Porque?

2- Referente ao uso de Clomipramina, existe alguma restrição?

3- Porque foi substituído o uso de Diazepan por Rivotril?

Elaborado por: Lauren Silveira, Leonardo Sanches e Liane Dias.

Read Full Post »

Paciente T.K.I ,22 anos , sexo masculino, apresenta diagnóstico de obsidade ,autismo, e hiperatividade,também possui na família  antecedentes de diabetes.Encontra-se tomando as seguintes medicaçoes: Carbamazepina 200mg, Valproato 500mg, Topiramato  25 mg, e Periciazina.Faz acompanhamento com nutricionista, fisioterapia e terapia ocupacional.

Com base no caso,  responda:

Existe alguma interação medicamentosa entre os medicamentos utilizados pelo paciente ? Quais?

E qual a indicação de cada um desses medicamentos?

Elaborado por Líria da Rosa e Laís de Souza

Read Full Post »

Paciente A.C.P.P, hoje com 12 anos, é cadeirante e tem o diagnóstico de Mielomeningocele e Hidrocefalia. Com 1 mês e maio de vida passou pela primeira cirurgia de mielomeningocele e aos 6 meses passou por outra de hidrocefalia. Aos longo dos anos a paciente teve problemas de saúde como: perda de visão do olho esquerdo, constipação, dores frequentes de cabeça, tonturas, episódios de convulsões e infecções renal estas que  evoluiram para uma insuficiência renal, por isso o acompanhamento com nutricionista e uma dieta restrita em sódio. No último ano passou por uma cirurgia de tranplante de rim, fazendo o uso de Interferon. A.C.P.P usa vários outros medicamentos tais como: Sulfato ferroso, Carbonato de Calcio, Bicarbonato de Sódio, Ácido fólico, Calcitrol®, Vit. Complexo B, Vitamina C, Ácido Valpróico, Fenobarbita e Lactulose®.

A) Qual o Principal fator envolvido no desenvolvimento de mielomeningocele?

B) A paciente faz uso de algum medicamento que comprometa a função renal? Qual?

C) Como age o Interferon no organismo do paciente transplantado? Qual o tempo de uso desse medicamento?

D) Dos problemas se saúde citados no caso, qual deles está ou poderá estar relacionado com os medicamentos de uso do paciente?

E) Existe alguma interação medicamentos entre os medicamentos utilizados por A.C.P.P? Se tiver, qual o procedimento correto para diminuir essas interações e seus efeitos?

Elaborado por Letícia Iung

Read Full Post »

Paciente S.S.V nascida em 22 de março de 1990 na cidade de Santa Maria, seu parto foi feito por cesariana com procedimento normal, aos 19 anos pesa 92 kg e mede 1,64 cm, seu IMC é de 34,35 o qual se enquadra no nível de obesidade I. Em seus últimos anos foi constatado que sua glicose é de 143 mg/% a qual se considera elevada, pois os padrões aceitos são de 80 a 110, seu colesterol total está normal. No seu histórico familiar há casos de Hipertensão Arterial Sistemica (HAS) e Diabetes Mellitus (DM), aos 8 anos paciente foi ao pediatra e constatou que é portador de DM. Seus históricos patológicos além de obesidade e DM, foram de hepatite aos 2 anos e Rubéola aos 4 anos, nesta idade sua mãe notou que a paciente apresenta retardo mental. S.S.V. encontra-se em tratamento medicamentoso desde 2005 sob o uso dos seguintes medicamentos: Carbamazepina, Diazepan, Fluoxetina e Clorpromazina. Atualmente está sob acompanhamento dos cursos de Terapia Ocupacional, Nutrição, Psicologia e Fisioterapia, na qual apresenta evolução no seu quadro geral notando-se melhora em sua capacidade motora além da regueção da obesidade através do acompanhamento da nutrição.

Perguntas:

1- O tratamento primário para a DM é uma alimentação balanceada acompanhada por nutricionistas associado a práticas de exercicios fisicos quando possivel, o tratamento secundário é através de medicamentos quando o primário não é suficiente. Dentre os medicamentos sitados no caso, é possível associar algum ao controle da glicose?

2- Dentre os medicamentos usados no tratamento de S.S.V., existe interação medicamentosa? Se existe qual seria a conduta a ser tomada para evita-la.

3- Alguns pacientes ao iniciar o tratamento com Fluoxetina reclamam não perceberem o efeito do medicamento nas primeiras semanas de uso. Explique o porque disso e como a fluoxetina atua no organismo.

4- Para que a paciente toma Clorpromazina? Qual sua função e qual a classe de receituário utilizada para a dispensação deste medicamento?

Elaborado por: Lauren Silveira, Leonardo Sanches e Liane Dias.

Read Full Post »

Pcte M.R.L, 8 anos e 4 meses de idade, com um diagnóstico clínico de Malformações múltiplas( lábio leporino, laringomalácia, deficit auditivo, visual, fotossensibilidade). De nascimento prematuro com 8 meses de gestação( cesária). Descobriu-se uma infecção da placenta, não sabendo sua etiologia. Nasceu com lábio leporino e fez cirurgia de correção em POA, aos 1 ano e 4 meses de idade. Nesse período fez uso dos seguintes medicamentos: amoxicilina susp. 60 ml 50 mg/mL, salbutamol sol. c/ nebulimetro spray oral jatos 100 mcg/jat, ranitidina (2mL) 25 mg/mL, prednisolona sol. oral 3 mg/mL. Aos 3 meses de idade , foi diagnosticado a laringomalácia. Teve cinco paradas cardiorespiratórias ao tentarem entuba-la para cirurgia. Quando teve alta hospitalar, foi transferida em ambulância, fazndo uso de : fenobarbital 11 gts de 12/12 hrs., sulfato ferroso 18 gts 1x/dia, beclometasona 50 mcg 2 jatos 3x/dia, cisaprida 1,1 mg 3x/dia, salbutamol 3 jatos de 4/4 hrs, oxigenioterapia 1 L/min e dieta por sonda. Pcte ainda faz uso de sonda nasogástrica.

Com base nas informações dadas no caso clínico, diga:

a) Os medicamentos que podem causar as malformações em questão.

b) Para que servem os medicamentos usados pela pcte, e possíveis interações entre eles.

c) As reações que podem ocorrer pelo uso de amoxicilina, ranitidina e prednisolona.

Elaborado por Líria da Rosa

Read Full Post »

« Newer Posts - Older Posts »

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 627 outros seguidores