Feeds:
Posts
Comentários

Archive for setembro \10\UTC 2009

Até que enfim, a Anvisa decidiu padronizar as informações constantes nas bulas de medicamentos. Não só padronizar, como também adequar os conteúdos aos usuários de medicamentos. Bula não é e nunca foi feita para profissionais de saúde, já que se sabe, através da comprovação por estudos científicos, que a informação técnica presente em bulas deixa muito a desejar. A bula é, portanto, para os pacientes, para os quais o mecanismo de ação dos fármacos é na maioria das vezes, grego disfarçado. A informação deve ser simples e prática, de fácil entendimento. Deve-se ter o cuidado, porém, de não cometer erros por escassez de informação, especialmente no que diz respeito a interações entre fármacos e a correta utilização dos mesmos.

Seria interessante incluir frases de incentivo para a consulta ao farmacêutico caso ainda persistam dúvidas. Porém, a fonte de informação do farmacêutico também deve ser considerada. Infelizmente, a grande maioria das farmácias conta apenas com Dicionários de especialidades farmacêuticas e revistas dos distribuidores para busca de informações sobre medicamentos, literatura esta bastante defasada em termpos de informações técnicas completas.

Paciente informado é paciente que adere ao tratamento. Louvável a iniciativa da Anvisa, porém, há de se ter em mente  que é necessário uma série de ações por parte dos profissionais de saúde para qualificar o atendimento ao usuário de medicamentos.

Anúncios

Read Full Post »

Segundo revisão sistemática de Vicki et al, seguem abaixo algumas alternativas observadas e que surtiram efeito em pacientes idosos, objetivando a melhoria da adesão:

  • modificação da dose
  • orientações por escrito
  • educação em saúde
  • orientações sobre a doença
  • informação pessoalmente ou por telefone, pelo farmacêutico
  • monitoração da adesão
  • separação dos medicamentos, para melhor identificação
  • calendário de medicações
  • manejo de reações adversas
  • revisão dos medicamentos utilizados
  • orientação ao cuidador
  • etiquetar os medicamentos

Fonte: Vicki S. Conn, PhD, RN, FAAN; Adam R. Hafdahl, PhD; Pamela S. Cooper, PhD; Todd M. Ruppar, PhD, APRN, BC; David R. Mehr, MD, MS; Cynthia L. Russell, PhD, RN. Interventions to Improve Medication Adherence Among Older Adults: Meta-Analysis of Adherence Outcomes Among Randomized Controlled Trials. The Gerontologist, 09/02/2009.

Read Full Post »

Para pacientes que possuem os sintomas da gripe H1N1 ou aqueles que possuem o diagnóstico confirmado, a OMS recomenda o tratamento com os seguintes medicamentos:

  • Oseltamivir deve ser prescrito e o tratamento deve ser iniciado tão logo possível para pacientes que possuam os sintomas graves da doença. Dependendo da resposta ao tratamento, doses superiores a 15o mg, duas vezes ao dia, podem ser utilizadas. Esta recomendação é direcionada para todos os grupos, incluindo recém-nascidos, mulheres grávidas e crianças menores de 5 anos.
  • Zanamivir é indicado para pacientes com sintomas severos de H1N1, quando o Oseltamivir não estiver disponível ou quando não puder ser utilizado ou ainda quando houver resistência a Oseltamivir.
  • O tratamento antiviral não é recomendado em pacients que não pussuirem os sintomas graves da H1N1 ou que não pertencerem a grupos de risco, mesmo com diagnóstico provável ou confirmado da doença. Fazem parte do grupo de risco crianças menores de 5 anos, mulheres grávidas, adultos com mais de 65 anos,  profissionais de saúde (especialmente enfermeiros de homecare), pacientes com co-morbidades crônicas, incluindo problemas cardiovasculares, respiratórios, hepáticos ou diabetes, imunossuprimidos, HIV positivos, entre outras co-morbidades.
  • pacientes dos grupos e risco devem receber oseltamivir ou zanamivir tão cedo quanto possivel assim que os sintomas forem percebidos, antes do surgimento de complicações.

Read Full Post »

Pcte M.R.L, 8 anos e 4 meses de idade, com um diagnóstico clínico de Malformações múltiplas( lábio leporino, laringomalácia, deficit auditivo, visual, fotossensibilidade). De nascimento prematuro com 8 meses de gestação( cesária). Descobriu-se uma infecção da placenta, não sabendo sua etiologia. Nasceu com lábio leporino e fez cirurgia de correção em POA, aos 1 ano e 4 meses de idade. Nesse período fez uso dos seguintes medicamentos: amoxicilina susp. 60 ml 50 mg/mL, salbutamol sol. c/ nebulimetro spray oral jatos 100 mcg/jat, ranitidina (2mL) 25 mg/mL, prednisolona sol. oral 3 mg/mL. Aos 3 meses de idade , foi diagnosticado a laringomalácia. Teve cinco paradas cardiorespiratórias ao tentarem entuba-la para cirurgia. Quando teve alta hospitalar, foi transferida em ambulância, fazndo uso de : fenobarbital 11 gts de 12/12 hrs., sulfato ferroso 18 gts 1x/dia, beclometasona 50 mcg 2 jatos 3x/dia, cisaprida 1,1 mg 3x/dia, salbutamol 3 jatos de 4/4 hrs, oxigenioterapia 1 L/min e dieta por sonda. Pcte ainda faz uso de sonda nasogástrica.

Com base nas informações dadas no caso clínico, diga:

a) Os medicamentos que podem causar as malformações em questão.

b) Para que servem os medicamentos usados pela pcte, e possíveis interações entre eles.

c) As reações que podem ocorrer pelo uso de amoxicilina, ranitidina e prednisolona.

Elaborado por Líria da Rosa

Read Full Post »

Estudos reportam que antibióticos causa a falha de anticoncepcionais em 1 a 3% dos casos de gravidez.

A rifampicina e a griseofulvina podem aumentar o metabolismo de contraceptivos orais de etinil estradiol e noretindrona por indução enzimática

O  American College of Obstetricians and Gynecologists conclui que a tetraciclina, doxyciclina, ampicilina, metronidazol, fluconazol e fluoroquinolonas não afeta os níveis de contraceptivos orais (CO) em mulheres que ingerem combinações de COs.

Fonte: Medscape Pharmacist

Read Full Post »

Quando a letra L parece com o número 1:

Ex:  AMARYL (glimepirida) 2 mg dispensado como 12mg

7077730-fig1

 

 

 

 

 

Ex: Sildenafil 25mg dispensado como 125mg

7077730-fig2

 

 

 

 

 

REDIGIR “L” COMO “I” E VICE-VERSA

IODINE (IODO) x  LODINE (etodolac).

PRESCRIÇÃO ELETRÔNICA – Falta de espaços após as palavras:

ex.  LEVOXYL (levotiroxina)25 mcg  como Levoxyl25 mcg

ex. trocas comuns

versal l e letra caixa alta I caixa alta E e caixa alta F
versal l e numeral 1 caixa alta Z e  numeral 2
versal o e  numeral 0 caixa alta O e numeral 0
versal  g  e versal q caixa altaB e numeral 8
versal m e versal n caixa alta D e numeral 0
versal y e versal z caixa alta S  e numeral 5
versal c  e versal  e caixa alta S e numeral 8
versal cursiva l and e versal cursiva b caixa alta Z e numeral 7
versal cursiva i e versal cursiva e caixa altaT e numeral 7
versal cursiva a  e  versal cursiva o Numeral 5 e numeral 8
versal T e versal I Numeral 5 e numeral 3
caixa alta D e  caixa alta O Numeral 7 e numeral 1

Read Full Post »

« Newer Posts