Feeds:
Posts
Comentários

Archive for maio \16\UTC 2011

Identificação e queixa principal

Indivíduo de 46 anos, sexo masculino, branco, casado, terceiro grau completo, com queixas iniciais de “falhas de memória”.

História da doença atual

Aos 30 anos, o paciente começou a apresentar um declínio da memória de curto prazo ou “distrações” freqüentes, como referido pelos pais e pela esposa daquela época. Concomitantemente, passava por crises conjugais e insatisfação no trabalho, vindo a se divorciar seis anos depois. Nesse período, observou-se uma piora do déficit de memória de curto prazo.

Por ocasião do seu segundo matrimônio, obteve uma bolsa de pós-graduação, porém não foi capaz de levá-la adiante em função do déficit de memória. À época, foi acometido por um episódio depressivo leve, com insônia, perda do interesse e prazer especialmente para com seus familiares e sensação de angústia. Fez uso de fluoxetina 20 mg/dia por seis meses, com remissão total do quadro.

Aos 40 anos parou de trabalhar, apesar de ter construído uma carreira brilhante, em função do declínio de memória. Passou a cuidar de sua filha e a realizar pequenos trabalhos domésticos diariamente. Seu discurso era marcado por repetições constantes. Foi submetido a uma avaliação neuropsicológica que revelou uma síndrome dismnésica grave, do tipo anterógrada, sem quadro demencial estabelecido. Fez uso de donepezil 5 mg/dia por um curto período, pois não tolerou os seus efeitos colaterais, e vitamina E 800 mg/dia.

Aos 44 anos, iniciou avaliação diagnóstica e tratamento no Centro para Pessoas com Doença de Alzheimer e outros Transtornos Mentais da Velhice do Instituto de Psiquiatria da UFRJ. O miniexame do estado mental (MEEM) (Folstein et al., 1975) revelou alterações em orientação, memória de evocação, atenção e cálculo, comando e cópia de pentágonos (17/30 pontos). A avaliação funcional para atividades de vida diária (AVD) (Lawton e Brody, 1969; Pfeffer et al., 1992) revelou um comprometimento moderado a grave. Apesar de não apresentar dificuldades na realização de AVD básicas (cuidados pessoais), o paciente pouco comparecia a eventos sociais, se perdia freqüentemente na rua e não administrava mais suas finanças nem sua medicação. Mostrava-se apático, sua fala era disártrica, embora compreendesse sem dificuldade o que lhe era dito. Não apresentava quaisquer alterações de comportamento.

História pessoal

Desenvolvimento psicomotor sem alterações. Nega história de doenças crônicas, internações e cirurgias prévias. Nega história de uso de substâncias psicoativas.

História familiar

Tem um irmão mais novo, desportista, saudável. Seus pais são vivos e saudáveis. Possui duas filhas vivas e saudáveis. Os pais negam antecedentes familiares de doença neurodegenerativa.

Exame físico

Dentro dos padrões de normalidade.

Exame neurológico

Alerta, sem déficit motor focal, com reflexos profundos simétricos (3+/4), reflexo glabelar inesgotável e orbicular dos lábios presente. Nervos cranianos mostram-se sem alterações, tônus muscular normal. Prova índex-nariz lentificada e simétrica. Marcha apráxica. Equilíbrio estático preservado. Sensibilidade superficial e profunda sem alterações.

Exames complementares

Hemograma completo, bioquímica sangüínea, provas de função tireoidiana, sorologia anti-HIV, sorologia para Lues, exame qualitativo da urina, perfil liquórico e radiografia de tórax dentro dos padrões de normalidade. Eletroencefalograma (EEG) com mapeamento cerebral – atividade lenta (teta) com predomínio frontotemporal à esquerda. Ressonância nuclear magnética (RNM) do encéfalo com espectroscopia de prótons e volumetria de hipocampos áreas hiperintensas na substância branca dos cornos occipitais dos ventrículos laterais, acentuação dos sulcos corticais temporais e, notadamente, occipitoparietais, redução volumétrica dos hipocampos – e importante aumento da relação mio-inositol/creatina (Mi/Cr) e redução da relação N-acetil-aspartato/creatina (Naa/Cr) (Figura 1A).

Tomografia por emissão de fóton único (SPECT) – área extensa e bilateral de hipoperfusão em região parietal posterior (Figura 1B).

Avaliação neuropsicológica

A primeira avaliação realizada aos 40 anos revelou uma síndrome dismnésica grave do tipo anterógrada sem quadro demencial estabelecido. O paciente também apresentou um grave déficit atentivo comprometendo discretamente a memória de trabalho. Desempenho normal em testes de linguagem expressiva e receptiva, capacidade de abstração, cálculos e funções visuoperceptivas e um leve comprometimento da inteligência “fluida” e preservação da inteligência “cristalizada”.

Após quatro anos, a segunda avaliação revelou alterações de memória (estruturação de estratégias, fixação, evocação e seletividade), atenção, processamento executivo e de planejamento e visuoconstruccionais relacionados funcionalmente à região cortical associativa anterior e posterior, bilateral e circuitos subcórtico-frontais. Os índices de memória global, verbal, visual e evocação tardia mostraram-se inferiores aos limites dos testes utilizados de acordo com os percentis para a idade.

Evolução

Uma vez realizado o diagnóstico de DA provável (NINCDS-ADRDA) (McKahnn et al., 1984), iniciou uso de rivastigmina 3 mg/dia, vitamina C 1 g/dia e vitamina E 800 mg/dia.

A rivastigmina foi gradualmente aumentada até 10,5 mg/dia, com melhora significativa da apatia, porém notou-se maior prejuízo na praxia e disartria. Apresentou piora da qualidade do sono, com constantes despertares noturnos. A redução da rivastigmina para 7,5 mg/dia melhorou parcialmente este quadro, que remitiu totalmente com a introdução de zolpidem 10 mg/dia.

No ano seguinte, houve sensível piora da apraxia, acarretando maior dependência nas AVDs. Uma acompanhante foi contratada para auxiliá-lo. Seus pais observaram também alguns episódios de agitação psicomotora à noite, com hipersexualidade e coprolalia. Inicialmente, fez uso de lorazepam 2 mg/dia e, posteriormente, mirtazapina 30 mg/dia, sem sucesso. Após extensa avaliação clínica e laboratorial (hemograma, bioquímica sangüínea, EEG e RNM), que não revelou informações adicionais, iniciou-se olanzapina 5 mg/dia, com remissão total dos sintomas noturnos.

O último MEEM (Folstein et al., 1975) mostrou grave comprometimento de orientação, atenção, cálculo e memória de evocação. Outros domínios que se encontraram alterados foram memória imediata, linguagem (repetição), comando, escrita e cópia de pentágonos (08/30 pontos).

Baseado em Truzzi e Lacks, Rev. psiquiatr. clín., v.32, n.1, São Paulo,  2005.

Anúncios

Read Full Post »

1.  Identificação: M.C.G. tem 75 anos e do sexo feminino de cor branca, viúva tem 4 filhos, ela é analfabeta e aposentada, de religião católica; natural de e procedente do município de Forquilhas do Sul.

2.  Expectativas e percepções: Tem grande preocupação de não andar mais e de ficar cega.

3.  Necessidades básicas:Acorda diversas vezes durante à noite, dorme de 01:00hs da madrugada até as 06:00hs da manhã porém repõe seu sono durante o dia.

Não pratica exercícios físicos se alimenta mal, queixa falta de apetite, reclama dores intensas no estômago, principalmente quando come comidas pesadas, almoça as 13:00hs e janta as 19:00hs, se hidrata bem, come diariamente: feijão, arroz, verduras cozidas e cruas, frutas, leite; apesar de não sentir apetite, informa mastigar e deglutir sem nem uma dificuldade.Evacua a cada 5 dias, as vezes tem que utilizar laxantes, tem emissão involuntária de urina e reclama nictúria.

Toma banho duas vezes ao dia, mas, pelo seu estado debilitado não consegue manter a sua higiene pessoal efetiva e conseqüentemente os seus cuidados gerais necessários.Reside em casa própria que possui 3 quartos, sala, cozinha, 1 banheiro, a casa não e abastecida por esgoto tratado, possui água retirada do poço mesmo tendo água tratada abastecendo sua casa, o lixo e recolhido por caminhões devidamente apropriado fornecido pela prefeitura, a casa é abastecida por energia elétrica e possui um quintal pequeno e cimentado.Mora com a filha mais nova, genro e neto, pois, a mesma não tem condições de manter uma casa devido suas condições de saúde, não possui nenhuma atividade profissional porque é aposentada.

Fumou durante 15 anos de sua vida, bebia cachaça todos os dias antes do almoço e jantar, foi imunizada do vírus da influenza; apesar de ter prótese dentária removível, não tem ido ao odontologista nem ao médico.

4. Exame físico:

Pulso radial 75 e apical 74 com características normais, respiração 19, TA=140X110 mmHg, não fuma a 15 anos nem toma bebidas alcoólicas, não é alérgica a drogas e a alimentos. PA 18:13mmHg.

Condições dos segmentos: pele integra, sem lesões, limpa, umidade normal, couro cabeludo não apresenta lesões, postura deitada, sentada e de pé normais e em perfeito estado.

Cavidade bucal com dentes limpos, sem maus hálitos usa prótese total na arcada dentaria inferior, usa óculos não tem a visão do olho direito, olho no qual apresenta sinais de catarata, músculos e rede venosa dos membros superiores em boas condições para administração de medicamentos por via parenteral já nos membros inferiores possui dificuldade de retorno venoso.

Queixas: referiu ter dores no estômago, na articulação sinovial do membro inferior direito “joelho”, dificuldades para respirar, dores fortes na cabeça, além de esquecer as coisas constantemente.

Impressões do entrevistador: paciente tranqüila, falando somente o que é perguntado a mesma, mostra preocupação de não conseguir andar mais.

5.  ANÁLISE INTEGRAL:

5.1.  Aspectos Anatômicos: Estômago- próximo a parte do piloro existe um afunilamento, houve distensão do músculo gerando uma deformidade, esôfago e duodeno com aspectos normais, pulmão apresenta diversas calcificações com lacunas de pontos necróticos: “necrose caseosa”, tecido ósseo com poros e na região da coluna vertebral mostra sinais degenerativos, articulação sinovial sem presença de tecido cartilaginoso pois houve calcificação da mesma, região orbital direita com presença de elevação de parte da íris com pigmentação escurecida.

5.2 DIAGNÓSTICOS: hipertensão arterial; asma brôquica; osteoporose (osteopenia); artrite; úlcera estomacal, catarata, anemia ferropriva.

5.3  Aspectos Bioquímicos: Radiologia do esôfago, estômago e duodeno no qual demonstra a presença de hérnia hiatal por deslizamento com refluxo gastresofágico e demonstra também lesões degenerativas das colunas dorsal e lombar. Radiologia do tórax parte anterior e lateral que demonstra infiltração nas bases pulmonares. Imagem ovalar com densidade cálcica projetando-se no terço inferior do hemitórax esquerdo; demonstra também porose dos corpos vertebrais com colapso parcial de vários corpos vertebrais da coluna dorsal (fraturas).

Prova de função pulmonar completa que mostra laudo de Distúrbio obstrutivo e restritivo acentuado, teste farmacodinâmico positivo. Hemograma completo mostra queda de hemoglobina e hematócrito.

5.4 Aspectos Microbiológicos:

 Foi verificado a presença do mycobacterium tuberculosis e Helicobacter pylori

A paciente foi conduzida à consulta médica, sendo diagnosticada conforme citado anteriormente. O clínico geral prescreveu as medicações de escolha para a paciente, de acordo com as diretrizes terapêuticas para cada problema de saúde e recomendou o acompanhamento do farmacêutico da UBS e nova consulta em 3 meses.

Baseado em BERNARDES, M. Publisaúde.

Read Full Post »

Clinical Context

Dietary botanical supplements and herbal tea use are not regulated in the United States as pharmaceuticals are. In fact, some of these supplements may cause drug interactions or contain heavy metals, which, in infants, may have more adverse effects. Use of these dietary botanical supplements and teas among infants has not been well documented. This is an analysis of the cohort of mothers form the Infant Feeding Practices Study II to examine the prevalence of dietary botanical supplements and tea use in infants, reasons for use, and factors associated with use.

Study Highlights

•Included were 2653 healthy mothers with healthy term infants from the Infant Feeding Practices Study II. These mothers were surveyed longitudinally from pregnancy through the first year of their infants’ lives between 2005 and 2007.

•The cohort was drawn from a national consumer panel of mothers 18 years and older.

•Mothers were sent a questionnaire once during pregnancy and 10 times during the first year of their infants’ lives.

•94% of the postnatal sample returned at least 2 questionnaires.

•The sample overrepresented white, older, and better-educated mothers.

•The dependent variable was the number of times mothers answered “yes” to 10 postnatal survey questions asking about use of dietary botanical supplements or teas in their infants.

•Independent variables included age of the mothers, race/ethnicity, education, socioeconomics, breast-feeding practices, parity, and region.

•For each questionnaire, mothers were asked to list all dietary botanical supplements and teas their babies had been given in the past 2 weeks. •One third of mothers were 25 to 29 years old, 30% were 30 to 34 years old, and 72% were multiparous.

•Mean breast-feeding duration was 23.4 weeks; 85% of mothers were non-Hispanic white, and 6% were Hispanic.

•Overall, 9% of mothers in the sample reported giving dietary botanical supplements and teas to their infants on at least 1 questionnaire.

•4% of mothers reported giving dietary botanical supplements or teas to their infants on more than 1 questionnaire.

•Mothers were more likely to give their infants dietary botanical supplements or teas if they were users of dietary supplements themselves, were primiparous, older, had a higher education or income, and were married.

•Geographically, dietary botanical supplements and teas were more likely to be given in the West and least likely to be given in the Midwest.

•The odds ratio of giving infants dietary botanical supplements or teas was 3.69 among mothers who previously used such supplements themselves vs those who did not (P < .0001), and 1.85 among Hispanic mothers vs white mothers (P = .016). The odds were also increased among mothers with longer breast-feeding duration (P < .0001).

 •Parity, age, poverty, marital status, and region were no longer significant in the multivariate model.

•The percentage of infants given any dietary botanical supplements or teas ranged from 2.4% in month 1 to 4.4% in months 4 to 6.

•The most commonly used dietary botanical supplements and teas were gripe water, chamomile, teething tablets, and unspecified tea.

•The most common reasons given by mothers were to help with fussiness, digestion, colic, and relaxation in their infants.

•The most commonly reported sources of information regarding dietary botanical supplements and teas were friends and relatives (30%), healthcare providers (27%), and the media (27.6%).

•Mothers who received information from these sources were 3 to 5 times more likely to give their infants dietary botanical supplements and teas than mothers who did not.

•The authors concluded that use of dietary botanical supplements and teas occurred commonly among infants but that duration was short, and mothers who used these supplements themselves were more likely to give them to their infants. Clinical Implications

•An estimated 9% of mothers report use of dietary botanical supplements or teas for their infants in the first year of life. Maternal use, Hispanic race, and breast-feeding are associated with increased use of these supplements.

•Mothers who receive information about dietary botanical supplements and teas from friends or relatives, healthcare providers, or the media are more likely to give these supplements to their infants.

Fonte:  Laurie Barclay, MD
Medscape Pharmacist

Read Full Post »

USO DE RADIAÇÕES UV EM ALIMENTOS

Durante o período de colheita de frutos, hortaliças ou cereais geralmente ocorre uma oferta do produto acima da capacidade de consumo do mercado. Em decorrência disso, a indústria de alimentos utiliza tecnologias de armazenamento, em especial, para manutenção da qualidade dos frutos que permite a programação das vendas para mercado interno e para exportação. A legislação brasileira coloca grande restrição ao uso de fungicidas após a colheita, pois resíduos destes podem oferecer risco de intoxicação ao consumidor. Um tratamento alternativo para controle de podridão sobre o fruto é a irradiação com luz ultravioleta do tipo C (UV-C). Com este tratamento, além do controle, ocorre adicionalmente o estímulo do metabolismo secundário da uva que desencadeia na produção de substâncias químicas de defesa que também são benéficas à saúde humana.

Read Full Post »

VI Jornada de farmácia

UTILIZAÇÃO DA ESPECTROMETRIA NO INFRAVERMELHO PARA O CONTROLE DE QUALIDADE DE MEDICAMENTOS

O infravermelho tem sido cada vez mais utilizado pela indústria farmacêutica, pois permite o controle de qualidade de medicamentos durante o processo – Process Analytical Technology. Várias indústrias tem substituído a cromatografia líquido de alta eficiência (HPLC) pela espectrometria no infravermelho. Para tanto são utilizados diferentes acessórios que permitem o controle dos medicamentos nas diversas formas em que ele se encontram. As técnicas com infravermelho são, geralmente, rápidas e dispensam a utilizam excessiva de reagentes e solventes que são requeridos pelas metodologias clássicas (HPLC, por exemplo). Assim, na oficina serão abordados  os seguintes tópicos:

1) Teoria da absorção de luz no infravermelho;

2) Instrumentação utilizada na espectrometria de infravermelho;

3) Técnicas de reflexão;

4) Utilização do infravermelho no controle de qualidade de medicamentos;

5) PAT : Process Analytical Technology com infravermelho;

6) Utilização de ferramentas quimiométricas combinadas a espectrometria no infravermelho para o controle de qualidade de medicamentos.

Read Full Post »


ESTUDOS DE CASOS E ACOMPANHAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO

Abordagens práticas das metodologias de atenção farmacêutica através da avaliação de estudos de caso. Anamnese farmacêutica: pontos importantes a serem abordadas e metodologias. Avaliação farmacêutica. Intervenção. Acompanhamento farmacoterapêutico com vistas à melhoria da qualidade de vida do paciente.

 

Read Full Post »

GESTÃO DE LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

Sistemas de gestão: conceitos e documentos, ações corretivas e preventivas, reclamação de clientes, erros prováveis em laboratórios. Legislação específica. Exercícios.

Read Full Post »

« Newer Posts - Older Posts »