Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘diabetes’

CASO CLÍNICO FARMACOLÓGICO

Idoso, hipertenso e diabético

 

Identificação:

J.W., 68 anos, masculino, branco, casado, aposentado, procedente de Porto Alegre

História Clínica

O paciente refere que, há um mês, submeteu-se a exame médico ao fazer um seguro de vida, ocasião em que se constataram níveis pressóricos de 160/110 mmHg. Embora estivesse totalmente assintomático, foi aconselhado a procurar atendimento clínico. Relata ser diabético há 10 anos, porém, níveis glicêmicos tem se mantido controlados até então com a utilização de metformina,  1 comprimido (850 mg), 2 vezes ao dia, às refeições. Faz uso de cinarizina 1 comprimido a cada 12 horas para labirintite e Acetato de desmopressina (Spray nasal) 0,1 mg + Cloreto de benzalcônio 0,1 mg para incontinência urinária. Fuma 20 cigarros por dia desde os 18 anos. Não tem atividade física regular. Seu pai, já falecido, era hipertenso e sofreu um AVE.

Exame físico:

PA = 164/104 mmHg (sentado, média de 6 aferições em três dias distintos).

FC: 80 bpm; FR: 20 mpm; TAx: 36ºC, peso: 78Kg; altura 1,70m.

Ectoscopia normal, exceto por discreta obesidade

Exame do precordio: ictus invisível e impalpável; segunda bulha hperfonética em área aórtica e quarta bulha em área de ventrículo E.

Exame de fundo de olho: entrecruzamentos patológicos sem represamento venoso, estreitamento arteriolar, sem alterações de retina e papila.

Demais sistemas examinados: pele escamosa e fina, especialmente nos membros inferiores.

Exames subsidiários:

ECG: ritmo sinusal, freqüência ventricular de 80 bpm e alterações de repolarização ventricular

EQU: proteinúria, glicosúria, cetonúria, cilindros granulosos (2/campo).

Creatinina sérica 0,8mg%; colesterol total: 198 mg%, potássio sérico 4,0 mg%; glicemia em jejum 120 mg%.

 

 

Descrever:

Estadiamento das doenças

Exames que ainda devem ser realizados.

Tratamento farmacológico e não farmacológico.

PRMs.

Acompanhamento farmacoterapêutico.

 

Anúncios

Read Full Post »

CASO CLÍNICO I

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO: Masculino, 64 anos, branca, natural de Faxinal do Soturno, casado, agricultor aposentado, encaminhada pelo Posto de Saúde do Município.

QUEIXAS PRINCIPAIS: Pressão Alta, diabetes, bursite, depressão.

HISTÓRIA DA DOENÇA ATUAL
Encaminhado pelo posto de saúde para o Ambulatório de Cardiologia por apresentar níveis pressóricos elevados em duas ocasiões (145/98 e 150/96 mmHg), apesar do tratamento farmacológico.

HISTÓRIA MÉDICA PREGRESSA
Doenças da infância: sarampo e rubéola. Apresenta depressão desde os 55 anos. Bursite desde os 57 anos.

HISTÓRIA FAMILIAR
Pai e tio paterno hipertensos; mãe hipertensa e com diabetes tipo 2. Avô paterno falecido e uma tia tiveram diagnóstico de Câncer de Cólon.

EXAME FÍSICO
Peso: 85 Kg, Altura: 1,68 m, IMC: 28.8 Kg/m2 , PA: 145/95mmHg deitada, 150/95 mmHg sentada e 140/100 mmHg em pé. FC: 88bpm, FR: 20mrpm. Ictus palpável no quinto espaço intercostal propulsivo.
Ausculta cardíaca: ritmo regular, dois tempos, hiperfonese de B2 em área aórtica, sem sopros.
Abdômen: sp. Extremidades: Pulsos palpáveis e simétricos.

EXAMES COMPLEMENTARES
Glicemia- 109 mg/dL, Creatinina- 0,9 mg/dL, Sódio-138 mEq/L, Potássio- 3,9 mEq/L, Ácido Úrico – 7,1 mg/dL, Colesterol total – 212 mg/dL, HDL-colesterol – 34 mg/dL, Triglicerídeos – 211 mg/dL. Exame qualitativo de urina normal. ECG: ritmo sinusal, FC: 74 bpm, crescimento atrial esquerdo. Fundo de olho: estreitamento arteriolar.

TERAPIA FARMACOLÓGICA

1- DUOMO – MESILATO DE DOXAZOSINA – 2mg, 1x ao dia (vasodilatador, antihipertensivo)
2- SINVASTATINA – 40mg, 1x ao dia.
3- CLONAZEPAM – 2mg, 1x ao dia
4- OXCARBAZEPINA – 300mg, 2X ao dia
6- LUVOX – MALEATO DE FLUVOXAMINA – 100mg, 2X ao dia.
7- BESILATO DE ANLODIPINO – 5mg, 1X ao dia.
8- CLORIDRATO DE METFORMINA – 850mg, 1x ao dia
10- OMEPRAZOL – 10mg, 1x ao dia
11- NAPROXENO – 500mg, 2X ao dia
12- CONDROFLEX (sulfato de glicosamina + Sulfato sódico de condroitina) – 500mg + 400mg, 1X ao dia

PROCESSO DE DISCUSSÃO EM PEQUENOS GRUPOS

tabela

Aponte os PRMs do caso e sugira formas de intervenção para resolvê-los.

CONSENSO PARA DISCUSSÃO EM GRANDE GRUPO
– Epidemiologia dos problemas de saúde
– Epidemiologia dos problemas relacionados a medicamentos
– Aspectos fisiopatológicos
– Principais causas: primária e secundárias
– Rotina de investigação
– Abordagem terapêutica

Read Full Post »

D. Maria, 80 anos, feminino, do lar. Na primeira consulta ao clínico geral, foi acompanhada da filha. Refere perda de peso, cansaço, falta de apetite. É sedentária e tem DM2 há 30 anos. Em uso de metformina e sulfoniluréia em doses máximas diárias. Além disso, usa hidroclorotiazida 12,5mg, uma vez ao dia e captopril 25mg, uma vez ao dia. Ao exame físico demonstrou estar comunicativa e situada no espaço físico.
• Altura: 1,56m
• Peso: 60kg
• IMC?
• Medida da cintura: 82cm
• Pressão arterial 160:95 mmHg (em pé) e 140:93 mmHg (deitada)
• P(pulsação): 72 bpm
• Restante do exame: nada de novo (NDN)

RESULTADOS DOS EXAMES
• Glicemia em jejum: 180 mg/dL
• Glicemia pós prandial: 250 mg/dL
• Colesterol total: 230 mg/dL; LDL 230 mg/dL; HDL 30 mg/dL
• Triglicerídeos 300 mg/dL
• Hemoglobina glicada A1C – 8,5%
• Uréia 60mg/dL
• Creatinina 1,4 mg/dL
• Urina tipo 1: glicosúria +
• Eletrocardiograma: sobrecarga de ventrículo esquerdo
• Fundo de olho – catarata, retinopatia hipertensiva

QUESTÕES PARA DEBATE
1. Os sintomas clássicos de diabetes estão presentes na entrevista de D. Maria? Por que?
2. Qual a importância dos exames solicitados?
3. Como deve ser feita a abordagem do farmacêutico à D. Maria?
4. Como você avalia a farmacoterapia da D. Maria? Quais condutas devem ser tomadas para melhorar sua terapia farmacológica? Quais orientações se fazem necessárias para o novo regime terapêutico?
5. Quais orientações não farmacológicas devem ser dadas á paciente?

Read Full Post »

M.S., 72 anos, feminino, branca, casada, aposentada, procedente de Sobradinho -RS.

 

História clínica

A paciente procurou atendimento devido ao retorno de sensações de tontura e aumento da pressão arterial, anteriormente controladas. Negou outras queixas específicas. Na história pessoal, informou ter feito apendicectomia, e começado um tratamento com chia, no café da manhã, além do uso de fitoterápicos.

 

Exames físicos

Os sinais vitais eram normais.

Peso: 75,1 kg; 1,67m.

Glicemia em jejum: 146 mg/dl; LDL: 145 mg/dL; HDL: 40 mg/dL; Colesterol total 220mg/dL; Triglicerídeos: 150 mg/dL

A medida da pressão arterial teve por resultado 160 x 120mmHg; FC 94 bpm; FR 20 mpm; TAx 36°C.

A paciente relatou fazer uso dos medicamentos abaixo:

Quantidade Turno Medicamento
01 Manhã Lasix 40mg
01 Manhã Oscal D
01 Manhã Omeprazol 20mg
01 Manhã Picolinato de Cromo 200mg
01 Manhã e Noite Gabapentina 400mg
02 Manhã e Noite Betaserc 24mg
02 Manhã e Noite Glifage XR 750mg
01 Meio-dia Ancoron 200mg
01 Meio-dia Aldactone 25mg
01 Meio-dia Lip Less 100mg
01 Meio-dia Sermion 30mg
01 Meio-dia Hidroxizine 25mg
½ Noite Diovan 150mg
01 Noite Clopidogrel 75mg
01 Noite Fluoxetina 20mg
01 Noite Alopurinol 100mg
01 SEMANAL   Osteoform
15 gotas 3X dia Fito R (Fitoterápico)
15 gotas 3X dia Suc (Fitoterápico)
1 col. sopa 2x dia Chia
  Quando necessário Lisador

Read Full Post »

Identificação: Paciente de 77 anos, masc., bras., branco, professor aposentado.
Queixa: encaminhado para tratar descompensação de diabetes.
O paciente soube ser diabético aos 69 anos, em exame de rotina no pré-operatório de colecistectomia, (glicemia= 210 mg/dl). O paciente nega qualquer sintomatologia nesta ocasião, a não ser dor abdominal após a ingestão de alimentos gordurosos. Foi medicado com Diabinese®,1 comprimido ao dia por 2 meses; fez dieta, reduzindo a ingestão de massas e evitando açúcar,e então, após controle clínico ,foi operado. Após a alta hospitalar passou a fazer controle glicêmico a cada 6 meses, com glicemias “boas”, sempre entre 150 e 211 mg/dl, tendo ficado despreocupado porque foi-lhe informado que o seu diabetes era do tipo leve.
Há 4 anos passou a ter dor em aperto pré-cordial, intensa, após esforço. Em um desses episódios procurou um pronto-socorro e após diagnóstico de angina, foi submetido a coronarioplastia. Foi informado então que tinha níveis elevados de gordura no sangue e hipertensão arterial.
Vem sendo tratado com insulina mista NPH 55 unidades pela manhã e Daonil ® ,4 comprimidos ao dia, além de captopril 50 mg/dia e AAS 100 mg/dia.

Problemas de saúde relatados –
Sistema neurológico – Cefaléia esporádica, na nuca, pela manhã; nega tontura, turvação visual.
Sistema cardiovascular – Atualmente está sem dor pré-cordial, sem dispnéia, ou tosse.
Sistema digestivo – Nos últimos anos vem apresentando períodos de diarréia de duração de 5 a 7 dias, intercalados com obstipação intestinal. Não há incontinência fecal.
Aparelho geniturinário – Levanta-se uma ou duas vezes à noite para urinar. Há 3 anos vem tendo diminuição da potência sexual às vezes não consegue manter a ereção.
Sistema nervoso – Tem tido formigamento nos pés, especialmente à noite, tendo dificuldade de suportar o lençol sobre os mesmos.
Sistema Endócrino – passou a ganhar peso aos 23 anos, época em que, por excesso de trabalho abandonou a prática esportiva (futebol). Aos 45 estava pesando 98 kg; após várias tentativas de dieta, com as quais perdia 5 a 8 kg, que recuperava logo depois, vem mantendo o peso atual nos últimos 3 anos.
Outras intercorrências: Colecistectomia; Coronarioplastia; Pneunonia aos 17 anos; Erisipela há 4 anos.

Antecedentes Familiares- pai diabético desde os 70 anos, atualmente com 82 anos em tratamento apenas com dieta. A mãe faleceu por acidente automobilístico aos 40 anos.
Irmãos aparentemente saudáveis.

Exame clínico
Peso: 92 kg. Alt 175 cm; PA 14/9, sentado, FC=96 bpm.
BEG (Bom estado geral), corado hidratado. Facies inespecífica. Obesidade especialmente no tronco, abdome proeminente (circ abd =104 cm).
Cardiológico: Cor: BRNF (bulhas rítmicas normofonéticas); pulsos carotídeo, femural e poplíteo normal.
Abdome globoso, de difícil palpação; fígado a 4 cm do rebordo costal, indolor.
Membros: pele seca, com edema duro, não depressivo e hiperpigmentação na
perna E.
Neurológico: marcha normal pares cranianos normais, Diminuição da sensibilidade térmica em terço distal de MMII, especialmente nos pés.

Exames laboratoriais
Glicemia =232 mg/dl;
HB A1c=11,4%(Nl=até 5%)
Ureia=38 mg/dl;
creat=0,9mg/dl;
Colesterol=260,
Hdl=34,LDL=180
triglicérides=210 mg/dl.
ECG; sinais de SVE (Sobrecarga ventricular esquerda).
Microalbuminúria= 45 mcg/min.

Adaptado de Endocrinologia e Metabologia – Fac. Med. USP

Read Full Post »

Hi. My name is Stefano del Prato. I am Professor of Endocrinology at the University of Pisa and Vice President of the European Association for the Study of Diabetes. I am speaking from Berlin, for the 48th Annual Meeting. As you can imagine, it is a busy time. But it is also time for plenty of new data, new information, and lots of discussion. I would like to emphasize the novelties that are looming on the horizon in terms of new potential treatments for type 2 diabetes.

As expected, there are more and more data regarding the GLP-1 receptor agonists, and there are more and more data on DPP-4. But there are also very important data regarding the SGLT-2 inhibitors. These drugs, as you may know, reduce the ability of the kidney to reabsorb glucose, and because of that, more glucose appears in the urine. Through this very simple mechanism you can reduce blood glucose. Reducing blood glucose, in turn, will reduce the blood glucose toxicity, and reducing glucose toxicity is expected to improve insulin secretion and insulin action. This treatment is also of interest because it is associated with a very low risk for hypoglycemia. It is also associated with a certain degree of weight loss — easy to understand because glucose is lost in the urine, so for each gram of glucose, 4 calories are lost. There is also an interesting reduction of blood pressure.

Obviously, there are also some side effects that are important to be aware of, such as the recent report of an increased risk in urinary tract infections and genital infections. What is the real implication of all this? It’s tough to say.

Dapagliflozin has not been approved in the United States, but it’s been approved by the European Medicines Agency. So, I think that we’ll be seeing in the future how much these new drugs can provide us in terms of improving glycemic control in type 2 diabetic individuals.

However, these aren’t the only news. There are other new drugs, or new formulations in terms of insulin. Degludec is an insulin that Novo Nordisk has presented many data about here. It’s a long-lasting insulin that possibly — based on the data made available here at the Congress — is able to provide good glycemic control, reducing fasting plasma glucose concentration with very low risks, actually lower than with insulin glargine, with which it has been compared in terms of nocturnal hypoglycemia.

But it’s not only that. I think that what has appeared here in the sessions of EASD are all new potential venues for new forms of treatment. A new molecular defense has been recently identified that could become an important target for treatment. There are data — mainly empirical data in animals, but they are very exciting. For instance, there are drugs that potentially are able to activate the insulin receptor instead of insulin itself. There are drugs that potentially may modulate the persistence of the signal at the level of the insulin signaling pathway and thus increase insulin sensitivity.

All of these new drugs seem to be associated not only with an improvement in glucose control, but also with a reduction in the fat in the liver. As you may know, NASH, NAFLD, and hepatic steatosis are new cardiovascular markers that are becoming more and more important.

I think that this is a very exciting time, and to understand just how exciting it is, we have to remember that 10 years ago, we only had 2 drugs on top of insulin: metformin and sulfonylurea. Now in the States, there are 13 classes of drugs for the treatment of type 2 diabetes. Is it good? Is it bad? I think it’s good, but I think also that we need to understand the complexity of the treatment of type 2 diabetes and the importance of addressing the specific needs of each individual patient. Thank you very much.

 

Fonte: Medscape Pharmacist 

Read Full Post »

J.L.N., 75 anos, branco, do sexo masculino, 1º grau incompleto, aposentado, solteiro, 62 Kg, 1,67 cm de altura, natural de Tupaciguara MG, procedente de Brasília, com 4 irmãos e a empregada, em casa própria, de alvenaria, 9 cômodos e saneamento básico. Diagnóstico Médico de Diabetes Mellitus tipo 2. Queixando-se de elevação da Pressão Arterial e de dor na região pódalica esquerda (SIC). Descobriu ser portados de Diabetes há aproximadamente 20 anos. Relata que inicialmente os sintomas se manifestaram por emagrecimento intenso, chegando a perder 12 kilos em sua última internação, e poliúria. Paciente relata que sentia uma dor relativamente forte, com intensidade 7, antes de concluir a amputação das falanges à cerca de 8 meses. Apresenta Retinopatia, com perda total da visão esquerda e comprometimento na visão direita, com diminuição dos reflexos à luz e faz uso de óculos. Menciona ter sido sadio até aos 50 anos (SIC), no entanto depois do diagnóstico de Diabetes, sofreu um derrame, ocasionando hemiplegia direita. Relata ter sido hospitalizado 04 vezes, em uma das internações realizou a cirurgia da mão direita para “liberação do nervo”(SIC), devido a uma neuropatia. Apresenta artrose em mão esquerda, com hipertrofia dos dedos mínimo e anular em forma de garra. Paciente resistente à Assistência de Enfermagem e à terapêutica. Relata que após a amputação dos dedos dos MMII, realizava curativos 2 vezes ao dia, sozinho, seguindo orientações do farmacêutico. Utilizou Fibraze, Dersani (ou AGE) e Soro fisiológico 0,09%, por 8 meses. Após a implementação do Programa Família Saudável-PFS, no Centro de Saúde, passou a realizar os curativos no PFS. História Familiar: pai morreu com 62 anos de Cirrose, mãe paralítica aos 89 anos devido a uma aplicação incorreta de uma injeção na região glútea, falecendo à cerca de 3 anos (SIC). Dois irmãos que sofreram derrame cerebral, um deles ficando paralítico e ficando mudo. Refere que o outro irmão feriu o dedo, evoluindo para necrose, tendo de amputar 2 dedos, em seguida amputou a perna. Paciente nega casos de Diabetes Familiar. Em uso contínuo de Metformina 850 mg 2 vezes ao dia (manhã e noite) depois do café, Diamicron 1 vez ao dia em jejum. Cipro, prescrito pelo médico após a cirurgia da amputação das falanges podálicas, no entanto relata a administração das medicações de maneira irregular. Administra antiinflamatório, não sabe informar o nome, às vezes por 10 dias, outras vezes por 12, dependendo de seu estado de saúde. Parou os hábitos etilistas e tabagistas á 15 anos. Não realiza nenhum tipo de atividade física. No início do diagnóstico de diabetes, fazia muita dieta (SIC), atualmente relata que ingere: bolo, pão, biscoito, arroz, feijão, verduras cozidas, frutas, não aprecia muito carne, porém quando come, prefere galinha; evita frituras e gordura. Por vezes come doce feito com açúcar (SIC), toma café, 3 a 4 vezes ao dia, com adoçante. Relata que o relacionamento familiar é difícil, pois existe muita discordância entre os irmãos e que após o diagnóstico da doença, sua vida tornou-se muito diferente, pois passou a ter horário controlado para todas as atividades. Deixou de trabalhar à cerca de 3 anos, sustentando-se financeiramente com a aposentadoria e a dos irmãos, chegando a cerca de 4 ou 5 salários mínimos. Ao Exame Físico: consciente, orientado, deambulando, BEG, cooperativo, relutante a mudanças nos hábitos de vida. Expressa alteração na imagem corporal, após perda das falanges, realizando piadas dos seus membros e se auto-desvalorizando. Referindo “dores no pé esquerdo esporadicamente, devido à amputação” (SIC). Higiene oral satisfatória, pele limpa, pouco ressecada. Unhas translúcidas, relativamente grandes. Hipertrofia em mão esquerda dos dedos mínimos e anular e cicatriz em região palmar direita proveniente de cirurgia. Aparelho respiratório: MVF em ápices e bases pulmonares, eupnéico, boa expansibilidade torácica e simetria; Aparelho Cardiovascular: Bulhas normofonéticas, RCR em 2T; Abdome flácido, RHA (+) em todos os quadrantes; Evacuações presentes em dias alternados. Diurese presente, de cor amarelo-alaranjado, nictúria (5 vezes por noite) (SIC). Presença de edema em extremidade inferior (MIE) +/4 e senbilidade do tegumento. Realizado curativo oclusivo em pé esquerdo, com presença de pequena quantidade de secreção serosa em extremidade externa da região pódalica das falanges. Utilizado SF 0,09% e pomada de Confrei, apresentando boa vascularização e perfusão. SSVV – T: 35ºC, P: 80bpm, R: 22rpm, PA: 155 X 80 mmHg, FC: 79 bpm, Glicemia de Jejum: 144 mg/dl.

FONTE: Faeda e Leon, 2006. Para artigo na íntegra, clique aqui

Read Full Post »

Older Posts »