Feeds:
Posts
Comentários

Archive for março \29\UTC 2010

Case 1
A 70-year-old male farmer was referred to a movement disorders outpatient clinic due to a 1-year nondisabling intermittent resting tremor of the left hand, that later progressed to the contralateral hand. On neurological examination the patient had normal cognition. Myerson sign was present. Oculomotor examination was normal. An intermittent mild resting tremor was observed in the left hand, as well as mild signs of asymmetrical cogwheel rigidity and bradykinesia (left > right). Gait and balance were normal as well as postural reflexes. The diagnosis of idiopathic Parkinson’s disease was entertained. This case illustrates a relevant clinical landmark in the management of Parkinson’s disease; that is, the decision on initiation of treatment.

Clinical Questions
Which Treatment Options should be Considered to Initiate Treatment?
What are the Pros and Cons of Early Initiation of Treatment versus Waiting for Disabling Symptomatology in PD?
What is the Best Initial Pharmacological Intervention if the Objective is Improvement of Parkinsonism?
What should be the First Pharmacological Option if One of the Main Concerns is to Delay Motor Fluctuations and Dyskinesias?
Is there a Benefit of CR Levodopa Over IR Levodopa for the Prevention of Motor Complications?
Is there a Benefit of CR Levodopa Over IR Levodopa for the Prevention of Motor Complications?
Is there a Benefit in Initiating Levodopa Associated with Entacapone over Levodopa/Carbidopa alone as Monotherapy once it has been Decided to Initiate Levodopa in Patients without Motor Fluctuations?
Is it Clinically Relevant to Delay the Onset of Dyskinesias up to 5 Years of Treatment?
Fonte: Medscape pharmacist

Anúncios

Read Full Post »

Caso clínico real

Tomo a liberdade de incluir a solicitação da leitora Raquel neste post, para maior visibilidade.

Olá, sou terapeuta ocupacional, preciso de ajuda no que diz respeito a medicação de um familiar(62 anos) que está com diagnostico de demencia frontotemporal há quase 3 anos. está sendo administrado um neuroleptico – leponex 25mg – 3 vezes/dia – há 1 mês. ainda consta em sua prescriçao medica um amplictil 25 mg, mirtazapina 30mg, ela apresenta sintais de acatisia, inclusive a noite, sono inquieto, agitaçao psicomotora, agressividade, ha poucos dias perdendo o controle esfincteriano, enfim..preciso saber se ha algum efeito colateral grave neste historia ou nao? e qual seria o melhor efeito terapeutico neste caso? grata por qualquer esclarecimento!

Read Full Post »

Caso clínico

É com grande prazer que o convidamos para participar de mais um WebMeeting do programa Neurociências na Web, que será realizado no dia 15 de março, às 21h00, e debaterá o seguinte caso clínico:
Homem de 48 anos com queixa de perda de memória persistente e com piora progressiva
Paciente do sexo masculino, 51 anos, admitido em serviço ambulatorial com queixa de déficit de memória há 3 anos. O paciente era um alto executivo de uma empresa multinacional, quando aos 48 anos de idade, em período de intensa pressão no trabalho, passou a apresentar episódios de lapsos de memória, com perda de objetos e alteração de comportamento, ficando mais depressivo.

para participar, acesse e cadastre-se!
http://www.neurocienciasnaweb.com.br/

Read Full Post »

A maconha tem sido usada clinicamente, como droga recreativa, na agricultura, e industrialmente por milênios. Como uma medicamento, a maconha era amplamente utilizado pelos pacientes, sob cuidados de médicos e farmacêuticos, até ao início do século XX. Seu consumo foi considerado ilegal em 1937 e seu uso terapêutico permaneceu ilegal até 1996, quando foi autorizado na Califórnia. Desde então, a maconha tem ganhado popularidade e aceitação como medicamento, especialmente em países como o Canadá e o México. A maconha é usada para uma infinidade de doenças, no entanto, sua utilidade principal é limitada a 5 categorias gerais: dor, náuseas e vômitos, perda de peso associada à doença debilitante, neurologicamente induzida espasticidades, e outros usos, tais como o glaucoma. A maconha é um produto natural derivado da planta Cannabis sativa. Tem cerca de 450 componentes ativos, incluindo mais de 60 compostos classificados como canabinóides. O composto mais frequentemente identificado como o principal componente ativo da maconha é (delta-9-tetrahidrocanabinol THC, THC), embora em menor medida, o canabidiol eo canabinol também são altamente psicoactivas e contribuem significativamente para efeitos medicinais da maconha. No entanto, a maconha é melhor entendida não como uma planta única e uniforme, mas como uma erva daninha sofisticado, com centenas de variantes e uma vasta gama de composições e efeitos Nos Estados Unidos há 2 canabinóides sintéticos disponíveis comercialmente e aprovados para comercialização: Marinol ® (delta-9-THC; Solvay Pharmaceuticals, Inc., Marietta, Geórgia) e Cesamet ® (nabilone; Valeant Pharmaceuticals International, Aliso Viejo, Califórnia). Sativex ® (delta-9-THC/cannabidiol; GW Pharmaceuticals, Wiltshire, Reino Unido) é um produto à base de phytocannabinoid bucal aprovado no Canadá e em final da fase de testes clínicos nos Estados Unidos. No entanto, a maconha está associada a uma série de preocupações de segurança. A maioria dos riscos associados com a maconha medicinal são leves e envolvem o sistema nervoso central (SNC) e os efeitos gastrintestinais. A tontura é freqüentemente relatada como o efeito adverso mais comum, com náuseas, sentimentos de euforia e irritabilidade. A droga também está associada a defeitos de memória e de aprendizagem, distúrbios psiquiátricos, problemas respiratórios, câncer, complicações cardiovasculares, infertilidade, doença periodontal, perda óssea, distúrbios do sono, acumulação de alumínio e outros metais pesados, vício, dependência e abstinência, embora o verdadeira incidência e risco são difíceis de avaliar. Tal como acontece com todas as drogas, a maconha tem um número de interações potenciais. A droga sofre metabolismo hepático extenso e pode estar envolvida com um número de interações medicamentosas farmacocinéticas. A maconha é pode inibir o CYP3A4 e possivelmente induzir a CYP1A2. A Maconha pode interagir com warfarina para aumentar a relação normalizada internacional eo risco de hemorragia. No entanto, estudos demonstraram não haver qualquer efeito da maconha sobre indinavir ou nelfinavir, e outro estudo mostrou nenhuma interação com docetaxel ou irinotecano. A maconha pode ainda interagir com as drogas através de um processo de farmacodinâmica. Pode potenciar os efeitos dos opióides e depressores do SNC como as benzodiazepinas, relaxantes musculares, e do álcool. A maconha também teriam interage com antidepressivos e neurolépticos Pacientes com história de distúrbios psiquiátricos devem evitar a maconha, assim como os pacientes imunodeprimidos, transplantados e com AIDS pois existe o risco de infecções oportunistas, incluindo aspergilose e pneumonia. Pacientes com doenças respiratórias devem evitar fumar maconha, principalmente porque muitas vezes a prática é realizada sem um filtro e porque geralmente os fumantes de maconha inalam mais profundamente e prendem a respiração por mais tempo do que os fumadores de cigarros. Pacientes com vertigem deve evitar a maconha pois o diagnóstico e tratamento adequado se confunde com o uso da maconha medicinal. O risco de doenças cardíacas entre os usuários de maconha medicinal é considerado baixo, especialmente entre indivíduos jovens e saudáveis, embora os pacientes idosos e aqueles com doença do coração moderada a grave devem evitar o seu uso. A maconha medicinal é administrada principalmente através do hábito de fumar e comer. A droga geralmente é fumada como cigarro, em blunts, ou usados em uma tubulação de água (ou seja, bong) ou vaporizador. O uso de um vaporizador é considerado o mais seguro e eficaz da via de administração. Com base na sua volatilidade, vaporiza a maconha em uma temperatura muito inferior, permitindo a inalação com a geração mínima de ingestão e de subprodutos nocivos. Além disso, o haxixe é utilizado para produzir óleo (broto) e muitas vezes é cozido em um variedade de produtos, como brownies e bolos. Com base nos riscos legais e clínicos associadas com a maconha medicinal, os profissionais de saúde devem estar bem preparados e deve ficar a par das últimas descobertas e avanços para melhor atender seus pacientes. Nesse ínterim, o cenário político da maconha medicinal continua a evoluir. Esperemos que isto irá diminuir alguns dos obstáculos regulamentares à investigação adequada e melhor atendimento ao paciente. Fonte: SEAMON, Matthew J. Medical Marijuana: An Evolving Landscape. Medscape Pharmacist, 2010.

Read Full Post »